DestaquesPolicial

Veja as autoridades envolvidas na operação “Livro aberto” da PF



Doze mandados de busca e apreensão foram cumpridos nesta terça-feira (11) na operação “Livro Aberto”, realizada pela Polícia Federal, e que investiga crimes que teriam causado prejuízo de mais de R$ 4 milhões relacionados a contratos formalizados pela Secretaria de Estado da Educação da Paraíba no ano de 2018.

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação da Paraíba informou que não tem posicionamento sobre a operação, já que os fatos se referem fatos ocorridos em 2018. Na época, Ricardo Coutinho (PT) era o governador da Paraíba.

Entre os alvos dos mandados de busca e apreensão estão o deputado estadual Branco Mendes (Republicanos) e o ex-deputado estadual Lindolfo Pires (PP), atual secretário de Estado de Juventude, Esporte e Lazer da Paraíba. Apesar da operação se concentrar nestes dois, a PF informou que outras pessoas também são investigadas.

Confira a relação dos investigados na operação Livro Aberto:

Artur Cunha Lima, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB);

Lindolfo Pires, ex-deputado estadual e atual secretário da Secretaria de Estado da Juventude, Esporte e Lazer;

Branco Mendes, deputado estadual;

Tião Gomes (PSB), deputado estadual;

Artur Cunha Lima Filho (PL), ex-deputado estadual;

Edmilson Soares, ex-deputado estadual;

Genival Matias, ex-deputado estadual (que morreu em 2020).

Conforme a PF, os suspeitos são investigados pelos crimes de fraude em licitação, desvio de recursos públicos, corrupção passiva, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça. Foi decidido também pela indisponibilidade de bens, valores, dinheiro e ativos dos investigados visando recompor o erário.

Na Paraíba, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em Campina Grande, três em João Pessoa e um em Lagoa Seca. Houve mandados também em Ponta de Pedras, que é uma praia do município pernambucano de Goiana, e no município alagoano de Arapiraca.

A assessoria de imprensa da Polícia Federal informou que além de mandados de busca e apreensão em endereços de Branco Mendes e Lindolfo Pires, houve buscas e apreensões em endereços ligados à empresa que firmou contrato com o Governo da Paraíba em 2018. Outros alvos foram empresas por onde o dinheiro ilícito teria passado.