DestaquesPolicial

Polícia Civil de São Paulo pede prisão preventiva de sócios e mais dois funcionários da Braiscompany

A Polícia Civil de São Paulo pediu a prisão preventiva de quatro pessoas ligadas à empresa paraibana Braiscompany. São eles: os sócios Antônio Inácio da Silva Neto e Fabrícia Farias, e os funcionários Mizael Moreira Silva e Karla Roberta Pereira Alves. Os alvos são acusados por crimes contra a economia popular, associação criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Três entre os acusados já são condenados pela Justiça Federal na Paraíba. Os sócios Antônio Ais e Fabrícia Farias foram condenados a 88 anos e 7 meses de prisão e a 61 anos e 11 meses de prisão respectivamente. Ele está em regime fechado, ela foi colocada em liberdade condicional. Já Mizael Moreira da Silva foi condenado a 19 anos e 6 meses de prisão.

Devido à condenação na Justiça paraibana, o Ministério Público de São Paulo pediu que o caso seja remetido à Campina Grande.

Karla Roberta Pereira Alves, no entanto, entra na mira das investigações apenas agora. Sem ter sido citada nas investigações iniciais da Polícia Federal, ela é apontada pelos investigadores paulistas como sendo uma “laranja” que “concordou emprestar seu nome para transferência de um veiculo de marca Ferrari California” avaliado em R$ 1,7 milhões e cujo verdadeiro dono seria Antonio Neto.

O caso:

A Braiscompany é uma empresa que tinha sede em Campina Grande e filiais em João Pessoa, Recife, Brasília, Salvador, Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo. Ela foi alvo de investigações a partir de 2022, quando a Polícia Federal na Paraíba começou a investigar suspeitas de um esquema de pirâmide que teria movimentado entre R$ 1,5 e R$ 2 bilhões e feito milhares de vítimas em todo o Brasil.

O relatório final da Divisão de Investigações Sobre Crimes Contra o Patrimônio da Polícia Civil da São Paulo, inclusive, que ficou responsável pelas investigações, classifica a Braiscompany como uma “empresa de pseudoinvestimento” e justifica o pedido de prisão a partir de três valores: a garantia da ordem pública, a conveniência da instrução criminal e a aplicação da lei penal.

Portal Da Capital



Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support