Política

Oposição quer saber por que artistas estão ‘caladinhos’ diante do recorde de incêndios



O recorde de incêndios que atingiu os três maiores biomas: Amazônia, Pantanal e cerrado, gerou grande repercussão nas redes sociais. Postagens antigas do presidente Luiz Inácio  da Silva e da atual ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, foram compartilhadas por políticos de oposição e usuários da internet. Nestas postagens, ambos atribuíam diretamente ao governo de  a responsabilidade pelas queimadas.

Durante aquele período, uma variedade de artistas do Brasil e figuras internacionais conhecidas, tais como o ator Leonardo DiCaprio e a ativista Greta Thunberg, aderiram às críticas. Entretanto, no governo de Lula, os artistas e ativistas parecem ter se silenciado, como observado em algumas postagens.

No ano de 2021, o Greenpeace Brasil juntou mais de 30 figuras artísticas em resposta às acusações de que o governo  estava sendo conivente com as queimadas. Eles lançaram a Canção pra Amazônia, um trabalho assinado pelo compositor Carlos Rennó e pelo cantor Nando Reis. Naquele momento, a canção foi descrita como um “grito em defesa” da floresta.

Por que os artistas estão “caladinhos” sobre incêndios?

Os congressistas Mário Frias (PL-SP) e Kim Kataguiri (União-SP) indagaram por que os artistas estão “caladinhos” durante o governo de Lula, e divulgaram um infográfico do Poder360, que ilustra o montante que o governo do PT destinou para a cultura e eventos.

Durante o governo Lula, não houve manifestação de nenhum ativista. Kataguiri questionou: “Quer saber o motivo do silêncio dos artistas sobre os incêndios no Pantanal?”, ao divulgar informações sobre o recorde de liberação de recursos para a cultura.

Também houve uma demanda do senador  (PL-RJ) por uma posição dos artistas. Ele escreveu: “Os artistas sem talento da  não conseguem criticar Lula e Marina por tudo que está acontecendo no Pantanal e as queimadas na Amazônia”.

O senador Rogério Marinho (PL-RN) questionou o silêncio de parte da imprensa sobre os incêndios no Pantanal, Amazônia e cerrado. “O Pantanal, o Cerrado e a Amazônia estão em chamas! É o padrão de gestão ambiental! Grande parte da mídia finge que não vê, enquanto no governo do presidente Jair Bolsonaro tudo era manchete.”

Reveladas as Posições de Lula e Marina Silva Antes de Assumirem o Governo: Uma Análise de Impressões

O posicionamento atual de Marina Silva foi comparado ao seu discurso em 2020 pelo deputado Mário Frias (PL-SP). Frias compartilhou um segmento da coletiva de imprensa de Marina Silva realizada na segunda-feira, dia 24, onde ela afirmou que as queimadas recordes deste ano são resultado de condições climáticas desfavoráveis e uma captura de tela de setembro de 2020.

Há quatro anos, Marina disse que “as queimadas no Pantanal e na Amazônia não são acidentais”. “Fazem parte de um projeto e de uma visão de mundo que despreza o meio ambiente, com os quais o governo compactua e incentiva.”

“A Marina Silva de 2020 tem uma mensagem para a Marina Silva de 2024”, ironizou Frias.

Marina Helena (Novo), pré-candidata à Prefeitura de São Paulo, também destacou a mudança de postura da agora ministra do Meio Ambiente. “Marina Silva de 2020: O governo é o responsável pelas queimadas no Pantanal. Marina Silva de 2024: A crise climática é a responsável pelas queimadas no Pantanal. Para o azar da ministra, o print é eterno.” As informações são da Revista Oeste.

Contra Fatos