Economia

Ex-aluno do SENAI aprimora projeto que fiscaliza o uso de EPIs em empresas e contribui para a segurança do trabalhador



Os Equipamentos de Proteção Individual desempenham um papel crucial na garantia da segurança e da saúde no ambiente de trabalho. Eles ajudam a prevenir acidentes e doenças que poderiam causar danos permanentes aos trabalhadores. Segundo um levantamento feito pela SmartLab, ferramenta do Ministério Público do Trabalho, com dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em 2022, cerca de 3,7 mil acidentes de trabalho foram notificados no estado da Paraíba.

No contexto desses acidentes de trabalho, um ex-aluno do SENAI Paraíba desenvolveu, em 2020, um projeto que fiscaliza o uso de EPIs nas empresas a partir de um monitoramento que consegue identificar se os trabalhadores estão usando os equipamentos de segurança necessários para suas atividades, de acordo com as normas regulamentadoras. Na época, o projeto foi finalista do Inova SENAI, uma mostra educacional realizada pelo departamento nacional, onde os projetos desenvolvidos pelas escolas do SENAI são apresentados à comunidade, uma oportunidade de interação com profissionais do mercado de trabalho e de aproximação com o cotidiano industrial.

Pedro Nascimento é ex-aluno dos cursos técnicos em Mecânica Industrial e Eletroeletrônica e desenvolveu o projeto durante sua passagem pelo SENAI

Pedro Nascimento, que é ex-aluno dos cursos técnicos em Mecânica Industrial e Eletroeletrônica do SENAI e graduado em Automação Industrial pela Faculdade SENAI da Paraíba, desenvolveu o projeto durante sua passagem pela instituição. “Minha jornada no SENAI começou em 2016 e ao todo foram cerca de seis anos na instituição. Posso afirmar que não seria o profissional que sou se não fossem as grandes mentes que passaram por essa trajetória. O desenvolvimento do projeto iniciou durante o curso técnico em Eletroeletrônica e eu diria que o SENAI foi a peça chave para desenvolver essa pesquisa do zero” afirmou o jovem, que hoje, está em fase de aprimoramento do projeto.

O dispositivo criado por Pedro, chamado de EPI SCAN, tem a capacidade de verificar se um colaborador está entrando no ambiente de trabalho com o devido equipamento de proteção necessário para sua segurança. Ilustrando o mecanismo, o scanner é estruturado como um arco, localizado na entrada do local de trabalho. Quando um colaborador se aproxima para entrar, ele passa por este totem e o dispositivo realiza a identificação e verifica os EPIs que ele deve estar usando. Com essa tecnologia, a central de segurança da empresa recebe informações em tempo real sobre o uso de equipamentos pelos colaboradores. Além disso, a central de segurança recebe um relatório mensal detalhado, indicando os dias em que cada colaborador entrou no ambiente de trabalho usando o EPI adequado. Isso permite um controle mais eficaz, possibilitando cobranças mais precisas, redução de acidentes e até mesmo a substituição oportuna dos EPIs quando necessário.

Depois de quatro anos e de constantes estudos sobre o assunto, Pedro resolveu incorporar ao projeto uma das tecnologias emergentes mais trabalhadas na atualidade, a inteligência artificial. “A etapa de inteligência artificial está em fases iniciais. Precisamos treinar um modelo computacional para identificar cada tipo de EPI, e eu posso dizer que ainda demanda um certo tempo para conseguir elaborar do zero. Por ser um modelo mais centrado no digital, não iríamos depender tanto de uma estrutura, visto que no modelo antigo todos os EPIs deveriam passar por uma triagem prévia e receber as tags que as identificariam durante o processo. Nesse novo projeto, só precisaríamos nos preocupar com a visualização e os registros recebidos pela câmera com o algoritmo”, explicou o idealizador do projeto, concluindo que para o desenvolvimento, são necessárias publicações teóricas que darão início à pesquisa prática.

Pedro Nascimento no estande do Sistema Indústria no NEon, evento de empreendedorismo e inovação realizado nos dias 6 e 7 de junho, em João Pessoa

“Preciso estudar mais para conseguir elaborar esta ideia, visto que criei um apreço. Mesmo sofrendo mudanças e trabalhando em outros projetos, ela foi a base da minha carreira acadêmica. O objetivo é conseguir ao máximo desenvolvê-la para ter uma oportunidade de construir um novo protótipo e assim dar continuidade”, concluiu Pedro Nascimento. Nesse sentido, o EPI SCAN tem um grande potencial para transformar e contribuir com a segurança do trabalho, agregando tecnologia e inovação em um processo tão importante para os trabalhadores da indústria.

O projeto EPI SCAN foi desenvolvido dentro da Saga SENAI de Inovação, uma iniciativa que busca promover ações empreendedoras e inovadoras e que colabora com o engajamento e preparação dos indivíduos para os desafios da sociedade e do mercado, estimulando a criatividade e o senso de empreendedorismo. A Saga é composta por três desafios, o Grand Prix SENAI de Inovação, o Desafio SENAI de Projetos Integradores e o Inova SENAI. Nessa iniciativa, com apoio de docentes, os alunos se unem em equipes e aplicam ideias, tecnologia e conhecimento em projetos para a indústria. Informações sobre a Saga SENAI de Inovação na Paraíba, podem ser obtidas através do telefone (83) 2101-5450.

FIEPB