DestaquesPolítica

EUA: Desempenho de Biden em debate instaura pânico em democratas

Former US President and Republican presidential candidate Donald Trump leaves the stage during a commercial break as he participates in the first presidential debate of the 2024 elections with US President Joe Biden at CNN's studios in Atlanta, Georgia, on June 27, 2024. (Photo by ANDREW CABALLERO-REYNOLDS / AFP)


WASHINGTON, 28 JUN (ANSA) – Por Claudio Salvalaggio – A mídia e os analistas americanos são quase unânimes: no primeiro debate presidencial na TV, Joe Biden se saiu mal. Voz fraca e rouca (devido a uma constipação, segundo sua campanha), gaguejando com mais frequência que o habitual, frases confusas ou repetidas mecanicamente, olhar perdido.

Um cenário que instaurou o pânico em algumas alas do Partido Democrata, que temem que o desempenho do presidente possa afundá-lo nas pesquisas para as eleições contra o republicano Donald Trump. “Estamos ferrados”, disse um integrante da legenda progressista, enquanto se começa a falar em uma possível substituição.

A campanha de Biden também está na mira por ter insistido na realização do debate neste estágio da disputa, após tê-lo preparado durante uma semana em Camp David. Donald Trump, pelo contrário, se mostrou cheio de energia, capaz até de controlar a habitual agressividade, embora tenha se esquivado de muitas perguntas e repetido várias mentiras.

Sem direito a cumprimentos, evidenciando o clima de polarização em um país onde cada um não reconhece mais o adversário, Biden e Trump brigaram sobre tudo, da economia à imigração, do meio ambiente ao aborto, com constantes acusações recíprocas.

O magnata atacou a inflação que “está matando nosso país” e as supostas “portas abertas” para “criminosos e terroristas” na fronteira com o México. Biden, por sua vez, elencou seus sucessos após o “caos” deixado por seu antecessor na economia, acusando-o de ter beneficiado os mais ricos com desonerações fiscais, aumentando o déficit.

Na política externa, Trump repetiu que a guerra na Ucrânia não teria começado se ele fosse o presidente, mas não apresentou sua receita para a paz. Além disso, esquivou-se de responder se é favorável a um Estado palestino e disse que Israel “precisa terminar seu trabalho com o Hamas”.

Também não faltaram insultos pessoais. Biden chamou Trump de “perdedor e idiota” e o definiu como um “criminoso condenado”.

Em maio passado, o ex-presidente foi sentenciado por fraude contábil no “caso Stormy Daniels”, e o democrata o acusou de trair a mulher grávida com uma estrela pornô e de ter a “moral de um gato de rua”.

“Desde que Trump carregue sua própria bolsa”, ironizou Biden, em referência à obesidade do rival. (ANSA).