Política

Chuvas no RS: barragens de minério estão “monitoradas” e “seguras”, diz ministro

CNN BRASIL



O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, disse nesta sexta-feira (10) à CNN que as barragens de minério do Rio Grande do Sul estão “monitoradas” e “seguras”.

São três as barragens de mineração existentes no Rio Grande do Sul:

  • uma no município de Santo Antonio da Patrulha, na Grande Porto Alegre;
  • outra em Minas do Leão, a oeste da região metropolitana da capital; e
  • uma terceira, em Caçapava do Sul, na região sul do estado.

Diariamente, o governo do Rio Grande do Sul divulga balanços sobre a situação de todas as barragens no estado em meio aos impactos das chuvas no estado.

O monitoramento é feito tanto pela Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura do estado como pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

“É esse trabalho integrado que vai minimizar o sofrimento do povo gaúcho”, afirmou Silveira ao Live CNN (de segunda a sexta, às 9h).

De quinta-feira (9) para esta sexta, baixou de seis para três o número de barragens com nível de emergência.

Ainda estão classificadas com este nível as barragens:

  • Da usina hidrelétrica Salto Forqueta, entre São José do Herval e Putinga, no Vale do Taquari;
  • Saturnino de Brito, em São Martinho da Serra, município vizinho a Santa Maria; e
  • Santa Lúcia, em Putinga.

As barragens São Miguel e Arroio Barracão, em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, tiveram suas classificações de emergência encerradas.

“Após redução dos índices pluviométricos e a possibilidade de acesso aos locais, foi possível atestar as condições de segurança”, afirmou o governo gaúcho em boletim.

Já na barragem da usina hidrelétrica 14 de julho, entre Cotiporã e Bento Gonçalves, que teve um rompimento parcial, “as estruturas remanescentes são estáveis às vazões”.

A barragem da 14 de julho foi rebaixada de nível de emergência, com “risco de ruptura iminente”, para de alerta, quando há “anomalias” que demandam “providências para manutenção”.