Diversão

38° Salão do Artesanato Paraibano começa nesta quinta, em Campina, com homenagem aos artesãos santeiros



omenageados pela primeira vez, os artesãos santeiros não veem a hora da abertura do 38° Salão do Artesanato Paraibano, que ocorrerá nesta quinta-feira (6), em Campina Grande. Com o tema “A Arte de Quem Vive da Fé”, o evento será realizado pelo Governo da Paraíba e Sebrae-PB até o dia 30 deste mês, durante as festividades juninas e de uma festa que atrai turistas do Brasil e do mundo para a Rainha da Borborema: o Maior São João do Mundo. A expectativa é que um público de 90 mil pessoas prestigie a 38ª edição do Salão do Artesanato, gerando renda e solidariedade — nesta edição, os alimentos arrecadados com o Projeto Salão Solidário serão destinados aos artesãos do Rio Grande do Sul, que sofrem as consequências das chuvas que têm atingido aquele estado.

Com uma religiosidade forte, os artesãos santeiros encontram na fé inspiração para produzir verdadeiras obras de arte — uma produção que se intensificou ainda mais quando eles souberam que seriam os homenageados do Salão do Artesanato de Campina Grande. Na confecção das peças, agilidade e sensibilidade — “tudo feito com o coração”, como eles fazem questão de destacar.

A primeira-dama do Estado e presidente de Honra do Programa do Artesanato Paraibano (PAP), Ana Maria Lins, viu essas qualidades que os artesãos santeiros colocam em cada peça produzida de perto, durante as visitas técnicas que fez com a equipe do PAP. “Nessas visitas, percebemos que essas obras que vão ser expostas no 38° Salão do Artesanato são, antes de qualquer coisa, instrumento de fé. E eu não tenho dúvidas de que o paraibano, o turista que for prestigiar os nossos artesãos, as nossas artesãs, vai sentir toda essa riqueza”, disse.

Ana Maria Lins também convidou a população a prestigiar o Salão do Artesanato Paraibano: “É um evento que gera renda para muitas famílias e que oferece para a população muita cultura, muita arte, um conhecimento profundo das nossas raízes. Por isso é importante que todo mundo prestigie o nosso artesão, a nossa artesã. E que, se puder, leve um quilo de alimento, pois tudo o que for arrecadado nesta edição será doado aos nossos irmãos artesãos do Rio Grande do Sul”.

Para a secretária de Estado do Turismo e Desenvolvimento Econômico (Setde), Rosália Lucas, ao chegar à sua 38ª edição, o Salão do Artesanato Paraibano mostra quem tem cumprido o grande propósito de geração de renda e fortalecimento da cultura paraibana. “O Salão do Artesanato Paraibano é o único do Brasil realizado em duas edições por ano — em janeiro, em João Pessoa; e em junho, em Campina Grande. É um evento consolidado, que tem se fortalecido desde a primeira gestão do governador João Azevêdo, que não mede esforços em promover capacitação para o nosso artesão, com parceiros como o Sebrae. O artesanato paraibano, reconhecido pela Unesco, gera renda e, ao mesmo tempo, fortalece nossa cultura. Por isso, terá todo o apoio do Governo do Estado, todo o suporte e sensibilidade de uma equipe muito competente, liderada pelo nosso governador e pela nossa presidente de Honra, Ana Maria Lins”, comentou.

A gestora do PAP, Marielza Rodriguez, falou da expectativa para mais uma edição do Salão do Artesanato Paraibano. “Mesmo com toda a preparação, que começou assim que o Salão de João Pessoa acabou, a sensação é sempre de que estamos realizando o primeiro. Mas, ao mesmo tempo, temos a certeza de que será um grande sucesso. São mais de 500 expositores, uma estimativa de mais de R$ 3 milhões em negócios gerados, num local privilegiado, que é a avenida Brasília, na entrada de Campina Grande. Além dos nossos homenageados, quem for prestigiar o Salão do Artesanato vai apreciar o que há de mais genuíno no nosso artesanato, em suas mais diversas tipologias: brinquedos populares, renda renascença, crochê, labirinto; e o melhor da nossa gastronomia. Venha nos prestigiar e, se puder, traga um quilo de alimento não perecível para os nossos artesãos do Rio Grande do Sul”, disse.

O coordenador de Artesanato do Sebrae-PB, Jucieux Palmeira, evidenciou a importância de mais esta parceria com o Governo da Paraíba na realização do 38° Salão do Artesanato. “Esta parceria nos deixa muito felizes, porque representa a valorização do nosso artesanato, considerado de excelência pela Unesco. O Sebrae faz uma capacitação muito forte durante todo o período do ano com os artesãos, para que eles possam fortalecer a parte de gestão dos seus negócios, já que o artesanato é um segmento que gera renda e também fortalece a nossa cultura. Nesta edição, estamos homenageando os artesãos santeiros, com o tema ‘A Arte de Quem Vive da Fé’, um tema muito forte”, disse.

Expectativa e fé — Ao todo, serão 10 artesãos santeiros que vão ser homenageados durante a 38ª edição do Salão do Artesanato Paraibano da Rainha da Borborema, a maior parte do município de Lagoa Seca, Agreste paraibano e berço da arte santeira na Paraíba. São eles: Maria de Lourdes Diniz (Lagoa Seca), Francisco Diniz (Lagoa Seca), Rogério da Silva (Lagoa Seca), Tatiana Nascimento (Lagoa Seca), Ricardo da Silva (Lagoa Seca), Igor do Nascimento (Lagoa Seca), Jonas Nogueira (Bayeux), Bento Medeiros (Sumé), Leila Machado (Cabedelo) e Maria das Neves Cavalcanti (João Pessoa).

Todos esses artesãos têm em comum uma grande expectativa para a abertura do evento e uma fé inabalável de boas vendas e de ainda mais valorização para uma cultura — a arte de fazer santos — preservada há muitos anos, como é o caso da artesã santeira Maria de Lourdes Diniz. “Essa homenagem que eu e os meus companheiros recebemos do Programa do Artesanato me deixa muito honrada, reconhecida. Tenho 70 anos e posso garantir que pelo menos uns 60 foram dedicados ao artesanato. É uma homenagem a todos, inclusive à minha mãe, Paulina Diniz, que foi referência aqui em Lagoa Seca”, acrescentou.

Há pelo menos 17 anos a artesã Leila Machado trabalha com o barro, matéria-prima de suas criações — figuras típicas da cultura nordestina e, claro, os santos. Expectativa e fé na realização de um Salão do Artesanato próspero também são sentimentos compartilhados pela artesã de Cabedelo. “Para mim, o Salão do Artesanato tem sido uma vitrine, onde exponho meu trabalho, oportunidade que tenho para divulgar o que faço para o País inteiro. Agora imagine você ganhar uma oportunidade dessa acompanhada de uma homenagem? Estou muito feliz e agradeço a todos do Governo por essa homenagem”, externou.

Jonas Nogueira, do município de Bayeux, trabalha com arranjos e arte contemporânea, mas tem na arte sacra a fonte de sua inspiração, respeito pelas imagens herdado da avó. “Eu venho de uma família de tradição católica, a minha avó tinha um oratório e eu tentava reproduzir as imagens que eu via na casa dela. Por isso, o carro-chefe da minha produção é a arte sacra. Eu também compartilho da visão de que o Salão do Artesanato é uma vitrine, onde posso expor meu trabalho, ter contato com lojistas, com galerias. E essa homenagem é uma alegria muito grande, pois é um reconhecimento do nosso trabalho. Já fui homenageado como ceramista e agora na arte sacra, o que me deixa duplamente feliz”, concluiu.

Serviço

38° Salão do Artesanato Paraibano

Período : 6 a 30 de junho

Visitação : das 15h às 22h (todos os dias da semana)

Local : Avenida Brasília (ao lado do Partage Shopping)

Ingresso solidário : 1 kg de alimento não perecível (opcional)

Governo Federal da Paraíba – Portal Online